Páginas sobre el tema:   < [1 2]
Pagamentos do tribunal em atraso
Autor de la hebra: Hugo Fernandes

António Madeira
Portugal
Local time: 17:27
inglés al portugués
@expressisverbis Jul 29

Com certeza, expressisverbis.
É normal que quem está a começar, aceite qualquer coisa que lhe seja proposto, por desconhecimento ou simplesmente porque precisa de trabalhar.
A minha mensagem atrás não é uma crítica ao Hugo Fernandes nem a ninguém em específico, mas apenas um desabafo de quem está cansado de ver este tipo de casos e de abusos.
Este é apenas um dos muitos exemplos que tenho visto e lido de outros colegas. O Estado é sempre (ou quase sempre, para não
... See more
Com certeza, expressisverbis.
É normal que quem está a começar, aceite qualquer coisa que lhe seja proposto, por desconhecimento ou simplesmente porque precisa de trabalhar.
A minha mensagem atrás não é uma crítica ao Hugo Fernandes nem a ninguém em específico, mas apenas um desabafo de quem está cansado de ver este tipo de casos e de abusos.
Este é apenas um dos muitos exemplos que tenho visto e lido de outros colegas. O Estado é sempre (ou quase sempre, para não me lerem literalmente) o pior pagador, mas qualquer empresa que diz pagar a quatro, cinco e seis meses não pode ser uma empresa séria ou não respeita o trabalho que está a pagar. Isto é válido para tradutores ou para carpinteiros. Todos sabemos as dificuldades do mercado nacional, mas quando as condições são estas logo à partida, deveríamos proteger-nos a nós próprios e a toda a classe recusando este tipo de falta de respeito. Queiram acreditar que o faço por mim e por todos quando recuso trabalhos, o que, infelizmente, acontece com mais regularidade do que gostaria.


expressisverbis wrote:
Eu não o levo a mal.
Sobre a minha experiência com tribunais, vou contar o que se passou.
Entre 2004/2005 tinha acabado o meu curso. Precisava de trabalhar (como todos).
Inscrevi-me durante uma feira de emprego e comecei a ser contactada por tribunais e polícia (PSP e Judiciária) da minha área de residência.
Tudo correu bem. Pagavam-me a tempo e horas e de acordo com os honorários que eu mesma fixava.
E foi assim durante algum tempo, até há uns bons anos atrás em que um tribunal do Grande Porto pagou os tais míseros 75,00 euros passado 3 anos e um senhor juiz de um tribunal do Porto me estipulou os seus "reduzidos" honorários!
A partir daqui deixei de trabalhar para esta instituição.
Sobre o que refere, é realmente um abuso, concordo, mas talvez essas pessoas que aceitem essas condições de pagamento sejam tradutores que estejam no início da sua carreira e há que começar por algum lado, caso contrário, estarão atrás de um balcão com alguma sorte.

[Edited at 2020-07-28 08:27 GMT]

[Edited at 2020-07-28 10:38 GMT]
Collapse


 

expressisverbis
Portugal
Local time: 17:27
Miembro 2015
inglés al portugués
+ ...
Não se preocupe, eu entendi-o perfeitamente... Jul 29

António Madeira wrote:

Com certeza, expressisverbis.
É normal que quem está a começar, aceite qualquer coisa que lhe seja proposto, por desconhecimento ou simplesmente porque precisa de trabalhar.
A minha mensagem atrás não é uma crítica ao Hugo Fernandes nem a ninguém em específico, mas apenas um desabafo de quem está cansado de ver este tipo de casos e de abusos.
Este é apenas um dos muitos exemplos que tenho visto e lido de outros colegas. O Estado é sempre (ou quase sempre, para não me lerem literalmente) o pior pagador, mas qualquer empresa que diz pagar a quatro, cinco e seis meses não pode ser uma empresa séria ou não respeita o trabalho que está a pagar. Isto é válido para tradutores ou para carpinteiros. Todos sabemos as dificuldades do mercado nacional, mas quando as condições são estas logo à partida, deveríamos proteger-nos a nós próprios e a toda a classe recusando este tipo de falta de respeito. Queiram acreditar que o faço por mim e por todos quando recuso trabalhos, o que, infelizmente, acontece com mais regularidade do que gostaria.


... e não me senti atingida, António.
Em relação ao privado, convém, em primeiro lugar, "checar" a empresa e verificar se é fidedigna (seja neste fórum ou noutro local qualquer online); em segundo lugar e, se a mesma for fiável, acordar tudo logo no início (a saber, preços e prazos de pagamento, referindo que se emite recibo-verde e/ou fatura-recibo) e terceiro, "agarrar" os bons clientes (empresas e/ou clientes diretos) e quem não trabalhar com boa-fé, excluir.
Em Portugal, a classe do tradutor está muito mal representada, as associações fazem o que podem (e o que não podem), não há legislação precisa sobre a profissão e toda a gente faz o que quer, inclusive, o Estado.
Estamos a prestar um serviço (que é "sempre para ontem") tal como qualquer outro prestador de serviços, cujo pagamento é feito após o serviço concluído.
Isto devia acontecer com os tradutores que trabalham por conta própria e/ou independentes.
Tenho esperança de que um dia as coisas mudem para melhor!
Tenha uma boa noite!


 
Páginas sobre el tema:   < [1 2]


To report site rules violations or get help, contact a site moderator:


You can also contact site staff by submitting a support request »

Pagamentos do tribunal em atraso

Advanced search






Anycount & Translation Office 3000
Translation Office 3000

Translation Office 3000 is an advanced accounting tool for freelance translators and small agencies. TO3000 easily and seamlessly integrates with the business life of professional freelance translators.

More info »
Wordfast Pro
Translation Memory Software for Any Platform

Exclusive discount for ProZ.com users! Save over 13% when purchasing Wordfast Pro through ProZ.com. Wordfast is the world's #1 provider of platform-independent Translation Memory software. Consistently ranked the most user-friendly and highest value

More info »



Forums
  • All of ProZ.com
  • Búsqueda de términos
  • Trabajos
  • Foros
  • Multiple search